Preparando o Natal


Deixe um comentário

Um casaco com asas e muitos bolsos

Era uma vez um rapaz que gostava de bolsos. Grandes, pequenos, médios e assim‑assim. Nos primeiros arrumava os cadernos da escola, nos segundos, as pedras redondas e as moedas, nos médios, os pacotes de leite com chocolate e nos assim-assim, tudo o que sendo invisível para os olhos da maioria das pessoas era importante para ele. Os pensamentos e os projetos por exemplo. Não se veem, mas são reais e o rapaz guardava-os para nunca se esquecer deles. Também era um rapaz com sorte. A mãe sabia costurar e ele acreditava que os seus dedos eram mágicos e que, se ela desejasse, poderia fazer-lhe um casaco com asas que lhe permitisse voar.

Continuar a ler


Deixe um comentário

“Não é possível!”, pensou o Pai Natal

Noite feliz! — cantava o Pai Natal.

Atarefadamente, ia consultando listas de pedidos, embrulhava brinquedos e punha as respectivas etiquetas.

De repente, interrompeu o trabalho e lançou um olhar ao calendário.

— Deus do céu! — exclamou. — Já é altura de ir para a Terra. A festa de Natal está próxima!

Atou ainda um pequeno embrulho, compôs um laçarote e encheu o grande saco.

Continuar a ler


Deixe um comentário

A batalha de Natal

— Só mais seis dias — disse Neli.

Enquanto a filha tentava assobiar Noite Feliz, a mãe repetiu, pensativa, numa voz que não soava alegre:

— Ainda seis dias.

Após uma curta pausa, prosseguiu, suspirando:

— Se tudo já tivesse passado!

Com o assobio suspenso no ar, Neli olhou para a mãe com ar estupefacto:

— Não estás contente?

— Claro que sim, mas já estou pelos cabelos com esta agitação toda!

Continuar a ler


Deixe um comentário

O carrinho vermelho

natal três 2 m

Para ser honesta, o primeiro mês foi um paraíso. Quando Jeanne, Julia, Michael (respetivamente de seis, quatro e três anos de idade) e eu nos mudámos do Missouri para a minha terra, no Ilinóis, exatamente no dia em que me divorciei, sentia-me feliz por ter encontrado um local onde não haveria violência nem abusos. Mas, passado o primeiro mês, comecei a sentir a falta dos meus amigos e vizinhos. Comecei também a sentir a falta da nossa moderna e bonita casa nos arredores de St. Louis, principalmente depois de nos termos mudado para uma velha casa alugada, única possibilidade para os meus parcos rendimentos de divorciada.

Continuar a ler


Deixe um comentário

E depois… e depois…

pinheiro 2 m

Volto mais uma vez à «personagem» da minha crónica anterior: a árvore de Natal. E isso porque vi, num bairro da cidade, uma mulher a atirar para o lixo o seu pinheirinho dos dias festivos de Natal, entretanto terminados. Nem esperou pelo Dia dos Reis, como, de um modo geral, é uso. Ao homem que a observava explicou que comprara a arvorezinha no Jardim do Palácio, por um preço «vá lá, razoável». É que a Câmara, interessada em antecipar-se à devastação selvagem dos pinhais nos arredores do  Porto,  resolveu  pôr  à  disposição  da  população  pinheiros provindos das mondas necessárias, pois eles embaraçariam o bom desenvolvimento dos restantes. Uma iniciativa louvável. Deve reconhecer-se.

Continuar a ler


Deixe um comentário

Anjos a dobrar

anjos dois m

Ao acordar ao som do despertador, sorri de alegria por ter que esperar só mais um dia.

Saí da cama e vesti-me com as primeiras roupas que apanhei. Revistando a cozinha à procura de algo para o pequeno-almoço, decidi-me por uma taça de cereais e umas sobras de pizza da noite anterior. Depois de ver desenhos animados, jogar alguns jogos de vídeo e conversar on-line com alguns amigos, ocorreu-me de repente que não tinha comprado um presente para a minha mãe. Era véspera de Natal e as lojas iriam fechar dentro em breve. Enfiei uns sapatos, agarrei na minha prancha de skate e lá fui eu para o centro comercial.

Continuar a ler


Deixe um comentário

O ursinho cor de caramelo

urso bebé 4 m

Ah-ha! Finalmente tinha encontrado o presente perfeito para a meia de Eric!
O urso cor de caramelo estava sentado, todo empoleirado, em exibição junto da montra da frente da loja. Numa mão segurava uma bola de futebol, mesmo com os cordões e tudo e, na outra, um capacete! Depois de ter localizado o urso, já sabia que tinha que me esgueirar até lá mais tarde, para o comprar sem ter os mais pequenos à minha volta. Estava tão entusiasmada!

Continuar a ler


Deixe um comentário

Pois, e eu sou o Coelhinho da Páscoa!

natal pai m

O Natal estava aos poucos a aproximar-se cada vez mais. Pelo menos assim nos parecia a nós, as crianças, que ansiosamente esperávamos ouvir o último e bem-aventurado toque da campainha da escola que iria marcar o início solene das férias da quadra natalícia. O nosso pai não se encontrava na cidade, a nossa mãe estava na mercearia, e a minha irmã e o meu irmão mais velho estavam fora, em visita a amigos. Com a impressionante idade de treze anos, eu estava por minha conta.

Continuar a ler


Deixe um comentário

Um conto de dois Natais

natal árvore anjo px m

E o Grinch cismou como é que aquilo podia ser?
Viera sem fitas. Viera sem rótulos. Viera sem embalagens, caixas ou sacos.
Cismou tanto que a sua máquina de cismar ficou cansada.
Então, o Grinch pensou em algo que nunca tinha pensado antes.
E se o Natal não viesse de uma loja.
E se o Natal significasse um pouco mais…

Dr. Seuss

Tenho muitas memórias felizes do Natal de quando era criança, mas há duas em particular que se destacam das outras. A primeira ocorreu quando eu estava no sexto ano; a segunda, um ano mais tarde.

Depois de termos ido para a cama na véspera de Natal, o meu pai alinhou cinco cadeiras da cozinha na sala, uma para cada um dos filhos. De cabides de roupa fez ganchos e pendurou-os nas costas de cada cadeira; em cada um, pendurou as grandes meias de Natal vermelhas e verdes que a minha mãe tinha tricotado para cada um de nós. Os presentes demasiado grandes para caber nas meias foram colocados em cima ou por baixo das cadeiras.

Continuar a ler


Deixe um comentário

Um Natal cheio de ternura

 

ursos px m

Há já muitos anos que o ursinho se mantinha quieto na prateleira de madeira. A fita vermelha que trazia ao pescoço perdera a frescura de outrora e o pelo amarrotado e coberto de poeira começava a ficar cinzento. Os seus olhos, porém, continuavam a brilhar tanto como quando uma criança pegara nele ao colo pela primeira vez.

Continuar a ler


Deixe um comentário

A pequena estrela de Natal

estrelas natal 3m

Desde o início dos tempos que, de entre todas as estrelas do céu, sempre houvera uma mais brilhante e bela que as demais. Os astros contemplavam-na com admiração e questionavam-se sobre a importante incumbência que seria chamada a cumprir. E o mesmo fazia a estrela, consciente da sua incomparável beleza.

Continuar a ler


Deixe um comentário

Zelando pelo calor do lar

 natal lareira lynn horrabin f

Os nossos pais trabalhavam arduamente, fazendo sempre o seu melhor para proporcionar festas com memórias inesquecíveis à nossa família de sete elementos.

Algumas semanas antes do Natal, o meu pai aceitava turnos duplos e por vezes triplos na cimenteira para se certificar que nós teríamos presentes debaixo da árvore. Coberto de cinzas e fuligem, arrastava-se todas as noites para casa, completamente exausto de limpar chaminés enegrecidas pelo fumo. Além de um emprego a tempo inteiro – como funcionária municipal e outro como mãe, – a nossa mãe fazia tudo o que era necessário na década de sessenta para conseguir que o orçamento esticasse: coser roupa às primeiras horas da manhã, remendar roupas usadas, empacotar os almoços para a escola e lavar fraldas de tecido.

Continuar a ler


Deixe um comentário

O dom de dar

natal lareira 1m

A Avó e o Avô viviam no outro lado do país e, embora nos telefonássemos e escrevêssemos frequentemente, já tinham passado vinte anos desde que os tinha visto pessoalmente. A saúde deles estava a deteriorar-se, e a idade mantinha-os por casa. As minhas responsabilidades pessoais com o marido, dois filhos jovens e um trabalho a tempo parcial, impediam-me de os visitar.

Continuar a ler


Deixe um comentário

Tudo o que tenho é teu!

coração madeira 2 m

Acabamos por perder o que guardamos só para nós.
O que damos manter-se-á para sempre connosco.
Axel Munthe

Faltavam só duas semanas para o Natal e o último sítio onde eu queria estar era mesmo no hospital! Mas estava a recuperar de uma cirurgia. Era o primeiro Natal da minha família no Minnesota, e eu teria querido que fosse inesquecível. Mas nunca desta forma.

Ignorei, durante semanas, uma dor que tinha do lado esquerdo, mas quando começou a piorar, corri para o médico. “Cálculos biliares” disse ele, observando as radiografias. “Em quantidade suficiente para fazer um colar. Tem de ser operada imediatamente.”

Continuar a ler


Deixe um comentário

Luzes de esperança

coração candeia m

No pico do inverno finalmente aprendi
que havia em mim um invencível verão.

Albert Camus

 Foi-me diagnosticado um cancro em outubro de 2004, o que implicava que os tratamentos iriam prolongar-se durante o mês de dezembro.

Quimioterapia no Natal era algo de que eu não estava à espera. E assim rezava todos os dias para que o Natal não fosse arruinado nem pela minha doença nem pelos tratamentos.

Continuar a ler


Deixe um comentário

Manter as coisas em perspetiva

vela vermelha px

No meu escritório, subi a um banco periclitante e encontrei as caixas de Natal numa prateleira de trás. Era chegada a altura de transformar a nossa casa com as cores mágicas da “época do amor”.

Como nunca consigo entrar verdadeiramente no espírito das coisas até montar o meu próprio cenário, coloquei a caixa em cima da carpete e ajoelhei-me para explorar, uma vez mais, as velinhas aromáticas, as bolas acetinadas, e os enfeites brilhantes que todos os anos têm sido penduradas na nossa árvore. Ao separar os fios das minúsculas luzinhas coloridas, curvei-me para ligar a primeira série. Fez-se luz!

Continuar a ler


Deixe um comentário

A trabalhar no dia de natal

árvore natal criativa 2m.jpg

Aquele 25 de dezembro era um dia invulgarmente sossegado nas urgências. Sossegado, isto é, exceto no caso dos enfermeiros, especados em torno do posto de enfermagem, resmungando por terem de trabalhar no Dia de Natal.

Naquele dia eu era a enfermeira de triagem e tinha acabado de sair para a sala de espera para fazer umas limpezas. Como de momento não se viam doentes à espera, voltei ao posto de enfermagem para tomar uma chávena de cidra quente do jarro que alguém tinha levado para beber no Natal. Nessa altura, um funcionário das admissões regressou ali e disse-me que tinha cinco doentes à espera de serem avaliados.

Continuar a ler


Deixe um comentário

A manjedoura vazia

presépio artesanato 2 m

— Já não há mais nenhuma — disse Michael, empilhando a última caixa no átrio da minha casa.

Inspecionei as embalagens poeirentas com alguma expectativa. Estas decorações de Natal, que tinham sido guardadas depois da morte da mãe de Michael, simbolizavam, de alguma forma, o nosso futuro como casal. Tínhamos, até agora, partilhado todo o tipo de atividades típicas da quadra: festas, compras, decorações. Mas, como íamos casar dentro de alguns meses, eu queria criar algumas tradições que fossem só nossas.

Continuar a ler


Deixe um comentário

Uma boneca do Pai Natal

boneca 5px

A mãe de Alice morreu quando ela tinha cinco anos de idade. Apesar de os seus nove irmãos e irmãs serem muito carinhosos, não conseguiram, obviamente, substituir o amor de uma mãe. Alice, que é hoje minha mãe, contou-nos que em 1925 a vida era muito difícil e que a sua família era tão pobre que nem sequer podia dar-lhe uma boneca pelo Natal.

Continuar a ler


1 Comentário

O presente do “Cara-Feia”

urso corações m

A mãe estava sentada na cadeira de imitação de cabedal, no consultório médico, a mexer nas unhas com nervosismo. Rugas de preocupação sulcavam-lhe a testa, enquanto olhava para Kenny, de cinco anos, sentado no tapete à frente dela.

«Ele é pequeno para a idade e muito magro», pensou. O cabelo louro do menino caía-lhe macio e liso sobre as orelhas. Ligaduras de gaze branca envolviam-lhe a cabeça, tapando-lhe os olhos e prendendo-lhe as orelhas.

Continuar a ler


1 Comentário

David e a estrela

foto menino estrela natal m

A casa de Ciryl e Paola fica mesmo no alto da serra da Malveira. Quando se chega lá acima, o ar é leve e, se levantarmos os braços, podemos tocar nas nuvens e agarrar o sol.

É uma casa antiga, de grossas paredes de pedra, com salas enormes onde se ouve música antiga, canções e poemas porque os corações de Ciryl e Paola estão sempre abertos à beleza e à amizade. Talvez por isso, porque Ciryl e Paola da serra da Malveira são pessoas especiais e lindas, esta história aconteceu.

Continuar a ler


1 Comentário

Simples caixas de madeira

boneca caixa m

Suponho que todas as pessoas têm um Natal de infância especial que se destaca de todos os outros. Quanto a mim, foi o ano em que a fábrica Burlington, em Scottsboro, fechou. Eu era apenas uma criança. Não poderia indicar o ano exato; é uma mancha nebulosa na minha mente, mas os acontecimentos desse Natal estão para sempre vivos no meu coração.

Continuar a ler


Deixe um comentário

Um Natal azul

árvore natal azul 1m.jpg

Esta história é acerca do Natal e da caixa por debaixo da nossa árvore de Natal, que não era, de modo algum, suficientemente grande para conter uma bicicleta. Essa caixa, embrulhada em papel de seda azul brilhante com uma etiqueta onde se lia «Feliz Natal, Terry – com amor, Mãe e Pai» era o objecto da minha atenção, porque sabia que encerrava o meu principal presente, e aquilo que eu queria, na verdade, era uma bicicleta. Não uma bicicleta qualquer, mas uma bicicleta azul do Armazém Johnston, em Hill.

Continuar a ler


Deixe um comentário

Um Natal de afetos

natal corações 1m

O Natal é conotado socialmente como uma celebração anual de luxo, onde reinam a pompa e a circunstância, os presentes, as iguarias e seus afins.
Uma conotação com a qual não concordo, nem me identifico, minimamente.

Cada novo ano examino atentamente o que me rodeia na esperança de vislumbrar uma mudança que seja, mas continuo incapaz de identificar o verdadeiro espírito natalício.

Continuar a ler


Deixe um comentário

Celebrações de natal

natal presépio 1m

Nossas celebrações de Natal são como as cascas de cigarra agarradas às árvores. Cascas vazias, das quais a vida se foi. Se perguntar às crianças o que é que está sendo celebrado, eles não saberão o que dizer. Dirão que o Natal é dia do Papai Noel, um velho barrigudo de barbas brancas amante do desperdício, que enche os ricos de presentes e deixa os pobres sem nada. (…)

Continuar a ler


Deixe um comentário

Todos os dias abrimos os olhos

kTodos os dias abrimos os olhos 

Todos os dias abrimos os olhos mas não o suficiente
Vemos descontentes a imperfeição e a pedra
Olhamos com desgosto – em nós e nos outros –
o avesso e a costura
e não nos damos conta
que poder observar com amor o avesso
se torna preciosa aprendizagem de caminho
Pois aquilo precisamente aquilo
que hoje identificares como pedra
a Vida vem ensinar-te
a transformar em estrela

José Tolentino Mendonça


Deixe um comentário

Meus presentes de Natal

Meus presentes de Natal – PDF

O Natal já vem aí,
tempo de ganhar presentes.
Muita coisa eu já pedi
e eu sei que vou ganhar.
Mas agora faço a lista
dos presentes que eu vou dar!

Eu vou dar pró meu irmão
um presente de abafar:
vou deixar que ele brinque
com as coisas que eu ganhar!
Mas espero que ele saiba
que dos meus brinquedos todos
eu tenho muito ciúme.
Pois que brinque um pouco só.
Ele que não se acostume! Continuar a ler