Preparando o Natal

Bagels de pimento-jalapenho

Deixe um comentário

Sem Título“O que é que hei de levar para a escola na segunda-feira, para o Dia Internacional?” pergunto à minha mãe. “A professora disse para levarmos algo da nossa cultura.”
“Podes levar algo gostoso da panadería,” sugere ela. Panadería é como a minha mãe chama à nossa padaria. “Ajuda-nos a fazer a massa no domingo — e poderás levar aquilo que quiseres.”
“Combinado,” respondo. Gosto de ajudar na padaria. Lá dentro está quentinho e tudo cheira mesmo bem.
Bem cedo, na manhã de domingo, quando ainda é noite escura, a minha mãe acorda-me.
“Pablo, está na hora de ir para o trabalho,” diz ela.
Caminhamos rua abaixo até à padaria. O meu pai acende as luzes. A minha mãe liga os fornos. Tira para fora as panelas e os ingredientes para o pan dulce. Pan dulce é o pão doce mexicano. Ajudo a minha mãe a misturar e amassar a massa. Ela molda rolinhos e bolas de pão e fá-los deslizar para dentro do forno. As pessoas dizem que ela faz o melhor pan dulce da cidade.
“Talvez leve pan dulce para a escola,” digo-lhe.
A seguir, fazemos empanadas de calabaza— pastéis de abóbora. Fico encarregado de os encher à colher com o recheio. A minha mãe dobra a massa em duas partes e pressiona as pontas com um garfo. Deixa-os cozer no forno até ficarem folhados e douradinhos. Há alguns clientes que só vêm à nossa padaria pelos pastéis…
“Se calhar, vou mas é levar empanadas de calabaza.”
“Tu depois decides,” diz. “Pronto para fazer as fatias chango?” Chango significa “homem macaco.”
A minha mãe deixa-me colocar as raspas de chocolate e as nozes. Quando ela não está a olhar, ponho-lhes mais raspas de chocolate.
“Podia levar fatias chango. São a minha sobremesa preferida.”
“A minha também,” diz a minha mãe. “Esta fornada deve estar especialmente boa. Pus-lhe raspas extra.”

O meu pai chama-me da sala das traseiras. “Pablo! Vem ajudar-me com os bagels!” O meu pai fala inglês e iídiche. Aprendeu iídiche com a sua família de Nova Iorque. Eu também sei algumas palavras. Bubbe quer dizer “avó”. Ele usa a receita da minha bubbe para fazer os bagels. Faz primeiro a massa numa grande taça metálica. Depois, enrola-a em forma de uma corda longa. Corta em porções e mostra-me como juntar os dois extremos formando um círculo. Pomos os círculos num tabuleiro, onde descansam e levedam.
Enquanto esperamos, o meu pai faz o challah, o pão entrançado judaico. Deixa-me praticar o entrançado da massa do challah numa bancada, só para mim. É bastante parecido com o entrançar do cabelo, e os clientes dizem que é quase demasiado bonito para ser comido.
“Talvez leve um pão de challah para a escola” digo ao meu pai. Ele sorri.
Quando a massa dos bagels está já levedada, ele escalda os bagels numa enorme panela de água e depois pesca-os com uma escumadeira comprida. Espalho-lhes por cima sementes de papoila e sésamo e depois vão para o forno.
“Talvez pudesse levar uns bagels de sementes de sésamo com queijo creme.”
“E com lox, não?” Lox é salmão fumado. O bagel preferido do meu pai é de centeio integral com uma leve pitada de queijo creme e lox.
Eu franzo o nariz. “Lox sabe a peixe. Geleia é melhor.”

A minha mãe junta-se a nós e ajuda o meu pai a fazer outra fornada de bagels — os jalapeño bagels. Os meus pais seguem uma receita especial: enquanto o meu pai mistura a massa, a minha mãe corta os chiles. Ela junta-os à massa e acrescenta pimento vermelho seco. Nós enrolamos, cortamos, fazemos círculos, e deixamo-los levedar. Não consigo esperar até que estejam prontos! Estou a ficar com fome!
“Já decidiste o que vais levar para a escola?” pergunta a minha mãe.
“É difícil escolher. É tudo tão bom,“ respondo. Olho para o meu pai. “Exceto o lox.”
“Devias decidir antes de abrirmos”, avisa a minha mãe, “senão os nossos clientes vão comprar tudo.”
Passeio-me por entre os pães doces, as fatias chango, e os bagels.
Penso na minha mãe e no meu pai, e em todas as diferentes coisas que fazem na padaria.
E, de repente, sei exatamente o que vou levar.
“Jalapeño bagels,” digo aos meus pais. “E vou barrá-los com queijo creme e geleia.”
“E porquê jalapeño bagels?” pergunta o meu pai.
“Porque são uma mistura de vocês dois. Exatamente como eu!”

GLOSSÁRIO

Espanhol
chango (calão) — homem macaco.
empanadas de calabaza — pastéis de abóbora.
jalapeño chiles — pimentos pequenos e muito picantes, assim chamados por causa de Jalapa, a capital de Veracruz.
panadería — padaria.
pan dulce — pães doces mexicanos, que incluem rolinhos, pãezinhos, bolos e bolachas.

Iídiche
bagel — rolo duro, levedado, em forma de dónute. Em Iidiche pronuncia-se beygel.
bubbe or bobe — avó
challah — pão judaico entrançado, preparado especialmente para o Sabat. O Sabat calha no sétimo dia da semana, sábado, e é um dia de descanso e observância religiosa.
lox — salmão fumado finamente fatiado. Em iidiche pronuncia-se laks.

Natasha Wing
Jalapeño Bagels
New York, Atheneum Books, 1996
(Tradução e adaptação)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s