Preparando o Natal


1 Comentário

Lua, a cadelinha do Tibete

Sem TítuloEsta história foi inspirada pelo sacrifício e coragem dos que lutam para ser livres.

Não é invulgar no Tibete os pais mandarem os filhos pelos trilhos das montanhas, na esperança de que estes encontrem refúgio no Nepal. Durante o inverno, quando esses desfiladeiros não são severamente vigiados, o frio agreste é considerado uma ameaça bem menor do que permanecer em casa. Muitas dessas crianças conseguiram chegar ao Nepal, muitas voltaram para trás, e muitas mais, pura e simplesmente, desapareceram. Continuar a ler

Anúncios


Deixe um comentário

O Natal do pequeno Pintarroxo

1Faltava uma semana para o Natal e o Pequeno Pintarroxo estava a ficar muito entusiasmado. Lavou e passou a ferro sete fatinhos quentes para os dias frios que se aproximavam.

Vestiu o seu fato branco e saiu para patinar no lago.

Pelo caminho, encontrou o Sapo.

— Tenho tanto frio! — exclamou o Sapo. — Podias ajudar-me?

O Pequeno Pintarroxo deu ao Sapo o seu fatinho branco.

— Ainda tenho seis fatos — pensou ele, enquanto o Sapo se afastava feliz, saltando. Continuar a ler


Deixe um comentário

Advento

Sem Título
— Jacob! — chama a mãe. —  Vai deitar-me esta carta ao correio, por favor!

— Agora não quero — diz Jacob.

Jacob está a pintar figuras de madeira: um sino, um anjo, uma estrela. Quer pendurá-las na árvore de Natal.

— Mãe — chama Jacob. — Lava-me o meu pincel, por favor. Continuar a ler


Deixe um comentário

Uma prenda para o Menino Jesus

1Lea já está cansada de ser sempre a mais pequena. O seu irmão, Natan, que já é grande, esse tem direito a fazer muitas coisas na hospedaria de Belém. Mas sempre que ela quer ser útil, respondem-lhe:

— Deixa lá, Lea, ainda és muito pequenina para fazeres isso!

Empoleirada nos seus quatro anos, Lea observa os peregrinos. São muitos, nestes últimos tempos, em Belém. O imperador decidiu mandar recensear toda a população e as pessoas vêm inscrever-se em longas listas. Na hospedaria, a mãe cozinha sem cessar enquanto o pai serve os clientes. Continuar a ler


Deixe um comentário

Lídia

1Lídia era bonita porque tinha um nome bonito e porque a uma história de Natal convém uma menina bonita. Vivia num apartamento muito alto, voltado para o mar. Tinha um quarto onde dormia, um quarto onde estudava e um quarto onde brincava. Este era o mais bonito de todos. Tinha imensos brinquedos vindos das mais diversas partes do mundo. Tinha brinquedos com música dentro, daquela música duma melodia finíssima e límpida, como uma filigrana. Tinha brinquedos de onde saía uma música que parecia vir de dentro da terra, espessa, distante, quase triste. Tinha brinquedos que exalavam música como se nascesse nas altas montanhas, rarefeita e leve, trazida em asas de condor.

Todos estes brinquedos alegravam Lídia que, muitas vezes, chamava os seus amigos e, no fim da escola, ficavam ali a brincar, a olhar o mar e a ouvir aquelas músicas que saíam de dentro dos brinquedos. Continuar a ler


Deixe um comentário

O segredo de Shaira

Sem TítuloUm conto de Rajastão. O Rajastão é o maior estado da Índia. Tem 32 distritos e a sua capital é Jaipur.

Em tempos que já lá vão, quando os deuses e as deusas visitavam as casas das pessoas, uma menina vivia com a sua mãe viúva num bairro de lata junto ao rio. Todos os dias Shaira ia de casa em casa, por becos e vielas, e recolhia roupa suja que a mãe depois lavava. Todos os dias rezava a Lakshmi, a deusa da fortuna, pedindo-lhe bênçãos para que a mãe não tivesse de ser lavadeira a vida toda.

Uma certa manhã, enquanto caminhava para casa demoradamente, pensou que em breve se celebraria Divaali, o Festival das Luzes. Que prenda iria dar à mãe? Acima da sua cabeça, os gritos agudos dos corvos interromperam-lhe o fluxo do pensamento. Do bico do corvo maior pendia um objeto brilhante. Continuar a ler