Preparando o Natal

E Manuel sorriu

Deixe um comentário

Sem TítuloA noite aproximava-se quando o comboio chegou à cidade alemã de Colónia. Desceram muitos passageiros, entre eles um homem e uma mulher que ficaram parados na plataforma como que perdidos. Fazia frio e eles eram uns desconhecidos na grande cidade.

— Vamos procurar um quarto para passar a noite — disse o homem.

— Está bem — respondeu a mulher — Já não vai demorar muito.

O homem fez com a cabeça um sinal afirmativo.

Procuraram incessantemente por um quarto, mas não encontraram nenhum. O Natal estava próximo e já todos estavam ocupados. A dada altura pareceu-lhes que talvez tivessem encontrado qualquer coisa, mas eram pobres e as pessoas viam que a mulher estava grávida e não os aceitavam. A criança não tardaria a nascer. Por fim, um indivíduo, com uma garrafa de cerveja na mão, indicou-lhes um edifício, dizendo:

— Ali, ao virar a esquina, há um abrigo noturno. Quem não tem casa, pode lá dormir.

Chegados, o gerente olhou pela janela.

— Esta é uma casa só para homens — disse. — Não posso aceitar mulheres.

A jovem assustou-se e amparou o ventre com as duas mãos.

— O que foi? — quis saber o marido.

— As dores do parto começaram. Não posso continuar.

Então o gerente teve pena dela.

— Pronto, entre, então. Ali ao fundo da casa tenho mais um quarto.

Conduziu-os através do dormitório dos homens até um quartinho minúsculo. A criança nasceu ao fim de umas horas. Mais tarde, a mulher mostrou o bebé aos homens do albergue.

— Como é que vai chamar-se? — perguntou um.

— Vai chamar-se Manuel — respondeu a mãe.

Os homens admiraram-se com o nome, mas lembraram-se que a jovem viera de longe.

De repente, todos tinham qualquer coisa que queriam oferecer. Um, depois de vasculhar na mochila, tirou quatro flores de papel que ofereceu à mãe, outro foi buscar uma pele de ovelha quase nova e disse:

— Para o Manuel estar sempre quentinho.

— Espera aí — disse um outro. — Devo ter aqui algures uma manta de lã.

Procurou no seu saco de plástico e encontrou a manta. Era uma peça realmente bonita, felpuda e de um vermelho vivo.

— Para o Manuel — disse.

A esposa do gerente entrou para ver a criança.

— Do que vocês se lembram! — disse ela. — Manta, pele de ovelha e flores de papel! Do que a criança precisa é de fraldas, uns casacos de bebé e calcinhas.

— Clara, as coisas da nossa Elisabete não estão ainda na gaveta? — questionou o marido.

— É verdade, Francisco! — exclamou a mulher. — Como é que eu não me lembrei!

Correu a casa e regressou com fraldas, casaquinhos, calcinhas e com um maravilhoso gorro de bebé.

— Toma, para o teu bebé — disse à mãe.

— Olha! — disse um homem muito velho. — Acho que o Manuel sorriu.

Todos viram.

Um dos homens pegou então no realejo.

— Já não toco há muito tempo — disse. — Espero ainda conseguir.

Ouviram-se uns sons muito delicados e os homens começaram a cantar baixinho. E como o Natal estava próximo, cantaram “Noite Feliz!”.

— Agora chega — disse a mulher do gerente. — A mãe e a criança precisam de sossego.

O gerente murmurou:

— Esquisito! Os fulanos nunca estiveram tão calmos aqui no albergue como hoje!

E em seguida acrescentou:

— Não falta muito e ainda vão arranjar o boi e o burro!

Pouco depois, apagou a luz.

Mas alguns dos homens ainda ficaram acordados muito tempo e voltou-lhes à lembrança o tempo em que tinham sido crianças.

Um disse, já meio a dormir:

— É estranho que tudo isto tenha acontecido aqui. Pouca gente vai acreditar, quando contarmos.

Willi Fährmann
Folget dem Stern
München, OMNIBUS, 2004
(Tradução e adaptação)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s