Preparando o Natal

O porquinho-da-Índia de José

Deixe um comentário

Sem TítuloDesde os seis anos de idade que José ansiava ter um porquinho-da-Índia, mas, de cada vez que começava a falar do assunto, a mãe dizia imediatamente:
— Os porquinhos-da-Índia cheiram mal.
Ou:
— O lugar dos porquinho-da-Índia é no Parque Biológico.
Ou:
— Pobre bichinho, numa casa tão pequena…
E coisas semelhantes…
Nesse ano, José tinha jurado a si mesmo que o seu desejo iria finalmente realizar-se.
— Apostas em como recebo um porquinho-da-Índia pelo Natal? — disse ao seu amigo Tiago. — Vais ver…
E arranjou um plano.

Finalmente chegou dezembro.
— Já só faltam 24 dias para o Natal — disse a mãe. — É altura de colocares à janela a tua carta para o Pai Natal.
José assentiu, mostrando uma expressão o mais inocente possível, e começou a tarefa.

“Querido Pai Natal,” escreveu, “gostava muito, muito de ter um hipopótamo.”
Colocou ordeiramente a carta do lado de fora da janela e esperou, com expectativa, o que iria seguir-se. Logo na manhã seguinte constatou que o plano tinha resultado. Ao abrir a janela bem cedo para ver se o bilhete fora levado, encontrou algo muito estranho.
“Deves estar maluco!” tinha alguém escrito a letras vermelhas fluorescentes num papel de carta, que vinha assinado a vermelho com letras grandes “Pai Natal”.
“Ótimo!”, pensou José. Guardou a carta e escreveu um novo bilhete. “E um crocodilo? Podia nadar na banheira.”
Mais uma vez o resultado foi excelente. Uma nova carta de Pai Natal saltou-lhe à vista na manhã seguinte.
“Infelizmente não fazemos envios de crocodilos,” vinha escrito, desta vez a letras verdes.
“Tanto melhor!” pensou José. Pegou na carta e escreveu o novo pedido no bilhete: “Um casal de cangurus”.
“Não trabalhamos com marsupiais”, foi a resposta.
Dali para a frente, foi tudo muito simples. José só teve de pensar em alguns animais esquisitos e tudo decorreu sem problemas.
“Três preguiças”, escreveu no dia seguinte.
“Que palermice”, foi a resposta.
E continuou. Durante doze dias esteve ocupado a escrever novos bilhetes e a recolher as respostas do Pai Natal. A troca de bilhetes durou precisamente até à noite de Natal. Todos os pedidos foram recusados deste modo:
Dia 12 de dezembro pediu “ Um chimpanzé.” E a resposta que recebeu foi “E quem compra as bananas?”; no dia 13 “ Um leão do Atlas.”, logo veio “Já ouviste falar de felinos que comem humanos?”; no dia 14 “Então uma hiena malhada.”, com direito a “E onde é que ela vai dormir?”; no dia 15 “Uma ovelha merino.”, para ler “Tu é que me saíste uma boa ovelha…”; no dia 16 “ Um cachalote.”, de imediato ”Ficaste doido?”; no dia 17 “Uma cobra piton.” e obteve “Animais rastejantes não são bem-vindos…”; no dia 18 “Uma cabra doméstica.”, seguido de “O leite de cabra tem um sabor horrível.”; no dia 19 “Peço então urgentemente uma zebra-da-montanha.”, argumentado com “E onde é que há montanhas por cá?”; no dia 20 “De certeza que um dromedário não se ia sentir mal aqui…”, negado ironicamente “E, já agora, um camelo, não achas?”; no dia 21 “Tudo bem. Decidi-me por uma girafa.”
No dia seguinte aconteceu finalmente o que José há muito esperava. No parapeito da janela não só estava a habitual resposta curta, como também uma carta séria, de quase meia página, escrita à pressa com uma banal esferográfica azul.

Querido José, – estava escrito – como podes ver no calendário, depois de amanhã é Natal. Até agora não me fizeste um único pedido razoável e todos os animais que mencionaste não cabem num apartamento. Venho pedir-te imediatamente que sejas mais simples e te restrinjas a espécies animais mais pequenas.
Muitos cumprimentos
O Pai Natal

José soube imediatamente o que fazer. Centenas de vezes treinara em pensamentos a palavra que escreveria agora. Pegou na folha mais limpa que encontrou e escreveu o seu melhor bilhete desde há vinte e dois dias:

Querido Pai Natal, – escreveu – por favor, desculpa ter sido tão impertinente. Reconheço ter exigido muito de ti e juro portar-me melhor. Assim, peço somente um minúsculo porquinho-da-índia, de preferência um como o do Tiago, branco com pintas pretas. O Tiago diz que os porquinhos-da-Índia não dão trabalho nenhum. Além do mais, eu acho-os tão queridos! Desde já, muito obrigado.
José, Rua do Vale do Moinho, nº 7

No dia seguinte, José foi à janela mais cedo do que nunca, porque, com a excitação, não conseguia esperar mais. Será que, desta vez, o Pai Natal também lhe iria responder? Mas o parapeito da janela estava vazio. Só viu alguns flocos de neve, pois tinha começado a nevar.
— Então? — perguntaram os pais quando foi tomar o pequeno almoço. — Já estás ansioso pelo dia de amanhã?
— E de que maneira! — respondeu José.
Com a excitação, não conseguiu dizer mais.

Finalmente chegou o grande dia.
24 de dezembro, estava escrito no calendário por cima da cama.
José olhou fixamente para a folha por um momento, pensando no seu porquinho-da-Índia.
Será que o Pai Natal ia finalmente compreender o seu pedido?
E o momento chegou.
A porta para a sala foi aberta, e José viu algo que era mais bonito do que todas as bolas do pinheirinho e as velas de Natal e bolachas e nozes juntas! Viu um minúsculo porquinho-da-Índia preto, às pintinhas, dentro de uma caixa por baixo da árvore de Natal. Farejava, curioso, o aroma do pinheiro, e era tão parecido com o porquinho do Tiago!
— Esperemos que não cheire mal — disse a mãe.
— Sempre é melhor do que dromedários e girafas! — disse o pai.
Mas José não ouvia o que diziam. Estava demasiado ocupado a pegar no seu porquinho-da-índia e a agradecer ao Pai Natal — em pensamento, claro.
E sentia que o Pai Natal sabia do truque que usara: um Pai Natal sabe tudo, ou não?
E o porquinho-da-índia chiava baixinho…
Parecia mesmo que estava a sorrir…

Roswitha Fröhlich

Sophie Härtling (org.)
24 Weihnachtsgeschichten zum Vorlesen
Frankfurt am Mein. Fischer Schatzinser, 2001
(Tradução e adaptação)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s