Preparando o Natal

Uma cidade, dois irmãos

Deixe um comentário

Uma cidade, dois irmãos

Em tempos que já lá vão, Salomão reinava na cidade de Jerusalém. Durante o seu reinado, mandou edificar um templo magnífico para o povo. Era um edifício único, um lugar santo. Todos os dias, o monarca recebia no palácio a visita dos seus súbditos, a quem dava conselhos, quando lhos pediam, ou julgava aqueles que tinham infringido as suas leis.
Um dia, apresentaram-se diante do rei dois irmãos. O pai falecera há pouco e ambos disputavam a herança das suas terras. Pediram a Salomão que os aconselhasse.
— Segundo a lei, deveria ser eu a herdá-las! — disse um dos irmãos.
— Mas é de justiça que eu receba a minha parte! — exclamou o outro.
O rei, que era sábio, escutou-os primeiro. Mas, ao ver que cada vez gritavam e se encolerizavam mais, levantou a mão, ordenando que se calassem, e disse:
— Vou contar-vos uma história que ocorreu há muito tempo, muito antes de aqui haver uma cidade, muito antes de esta terra ter um templo.
Eis a história que contou o Rei Salomão:

Há muito, muito tempo, havia um vale sulcado por um rio, que abria caminho por entre as montanhas, a nascente, e desaguava no mar, a poente. O vale era rodeado por encostas cobertas de oliveiras e amendoeiras. Num lugar onde o rio acompanhava a curva de uma montanha rochosa, havia duas povoações, cada uma delas com um punhado de casas de pedra, algumas lojas, e currais para os animais. Nelas viviam dois irmãos, que cultivavam campos no solo fértil do vale, a meio caminho entre as duas povoações.
O irmão mais velho vivia na povoação acima dos campos que partilhavam. O mais novo vivia na povoação abaixo dos campos que cultivavam. Duas estradas ligavam os dois povoados: uma ficava no cume da montanha que os separava, a outra atravessava o vale e passava junto aos campos.
Todos os Outonos, depois das primeiras chuvas, os dois irmãos pegavam nos seus burros e juntos aravam a terra e faziam a sementeira. E, todos os Invernos, as sementes germinavam e cresciam até à Primavera. Depois, as cabecinhas dos caules engrossavam e amadureciam e, no Verão, já apresentavam uma cor dourada. Os dois irmãos ceifavam o trigo, debulhavam-no, e guardavam o grão em sacos.
Uma vez terminadas estas tarefas, os irmãos contavam os sacos e repartiam-nos de forma igual, ficando cada um com metade. Tocava a cada um a mesma quantidade de palha para os animais e a mesma quantidade de trigo para moer, converter em farinha, e fazer pão.
Quando chegava o Outono, começavam a lavrar a terra de novo. E assim se iam passando os anos.
O irmão mais velho casou e não tardou a ter a casa cheia de filhos para alimentar. Felizmente que a parte da colheita que lhe tocava durava sempre até ao fim do Inverno, o que o deixava contente. O irmão mais novo nunca casou. Alguns diziam que não tinha encontrado a mulher que lhe convinha, outros diziam que gostava de levar uma vida tranquila. De qualquer forma, também ele se sentia contente.
Certo Verão, a colheita foi excelente, melhor do que alguma vez fora. Os dois irmãos empilharam os sacos pesados e viram que havia vinte para cada um. Quando o irmão mais velho acabou de os amontoar, pensou no mais novo.
“Tenho muita sorte em ter uma família”, disse para consigo, “porque, quando for velho, cuidarão de mim. Mas o meu irmão não tem ninguém. Como tem de poupar para a velhice, vai precisar deste trigo mais do que eu.
Então, o irmão mais velho decidiu dar um presente ao irmão mais novo. Quando a noite se pôs, carregou três sacos de grão no burro e subiu a montanha por detrás da sua casa. Depois, desceu a encosta e foi até ao povoado onde vivia o irmão. Era uma noite sem estrelas nem luar. Contudo, ele conhecia tão bem o caminho que poderia fazê-lo de olhos vendados. Sem fazer barulho, dirigiu-se, pé ante pé, até ao alpendre onde o irmão guardava o grão e deixou três sacos junto dos que já lá estavam. Depois, regressou a casa, sorrindo, a pensar na cara do irmão quando visse os sacos na manhã seguinte.
No dia seguinte, depois de tomar o pequeno-almoço, a mulher perguntou-lhe como tinha corrido a colheita.
— Este ano só tivemos dezassete sacos — disse o marido. — Se não os gastarmos mal gastos, serão suficientes.
A mulher fitou-o, surpreendida.
— Só dezassete sacos? Parecia uma colheita tão boa.
O marido encolheu os ombros e sorriu. Enquanto a família acabava de comer, a mulher foi até ao lugar onde guardavam os sacos de trigo. Regressou a casa passado pouco tempo.
— Ó homem, estás tão cansado que nem sequer sabes contar os sacos.
— O que queres dizer com isso? — perguntou o marido.
— Fui ao armazém e contei vinte sacos, não dezassete.
— Não pode ser! — exclamou ele.
Foi ver com os seus próprios olhos e deparou com vinte sacos.
— Como é isto possível? Devo ter sonhado!
Naquela noite, depois de o sol se pôr, voltou a carregar três sacos no burro e levou-os até casa do irmão. Desta vez, para que o burro não se cansasse, tomou o caminho do vale. Na manhã seguinte, disse à mulher que só tinham dezassete sacos porque tinha oferecido três. Pôs um dedo nos lábios e disse, sussurrando:
— É um segredo.
A mulher olhou para ele, desconfiada:
— Tens a certeza do número de sacos? — perguntou.
— Claro que tenho. Vem comigo e já te mostro.
Mas, quando foram contá-los, eram novamente vinte.
A mulher não achou graça ao sucedido.
— Porque troças de mim? Devias dizer-me a verdade.
— Será um milagre? — interrogou-se o homem. — Ou será que estou a ficar velho e já não me lembro do que faço?
Na terceira noite, depois do entardecer, saiu de novo com três sacos, decidido a dar o presente ao irmão, custasse o que custasse.
Três dias antes, o irmão mais novo, ao acabar de empilhar o último saco, pensara no irmão mais velho e nas bocas que este tinha de alimentar.
“Ele precisa mais do trigo do que eu”, pensou, “e já sei o que vou fazer. Sem ele saber, vou deixar três sacos dos meus junto dos dele, e terá uma bela surpresa pela manhã”.
Quando já era noite, carregou três sacos no burro e, sob um céu sem estrelas, tomou o caminho do vale, rumo à casa do irmão mais velho. Uma vez lá, deixou os sacos no celeiro.
No dia seguinte, o irmão mais novo reparou, com estranheza, que havia demasiados sacos de trigo no seu alpendre. Contou-os e estavam vinte. Mas, se tinha oferecido três, só devia haver dezassete. Como era possível que houvesse vinte? Teria sonhado?
Passou o dia a dar voltas à cabeça. Quando anoiteceu, voltou a carregar três sacos no burro, decidido que estava a ajudar o irmão. Desta vez, tomou o caminho mais curto, o que subia a montanha, para deixar os sacos ao irmão. Regressou a casa, sem que ninguém o visse.
Na manhã seguinte, voltou a contar os sacos e viu que tinha vinte. “Isto deve ser imaginação minha”, pensou. “Esta noite, levo-os sem falta”.
Naquela noite, pela terceira, vez, voltou a percorrer o caminho da montanha para ir ao povoado do irmão. Desta vez, havia lua cheia. Quando atingiu o cume da montanha, viu o irmão a dirigir-se para ele e pareceu-lhe estar diante do seu próprio reflexo.
Sem dizer palavra, ambos compreenderam porque se tinham encontrado ali. Os seus corações encheram-se de alegria, ao darem-se conta do amor fraternal que os unia. Foi naquela montanha, entre as duas povoações, que Jerusalém foi erguida. E, no mesmo sítio onde se encontraram os irmãos, construiu-se o templo sagrado.

Com estas palavras, Salomão deu por finda a história. Os dois homens ficaram em silêncio e todos na sala de audiências ficaram suspensos da sua reacção. Ao fim de algum tempo, o irmão mais velho ergueu os olhos.
— Irmão — disse — o que outrora foi do nosso pai é agora nosso. Nem teu nem meu, mas nosso. Devemos partilhá-lo.
Abraçaram-se os dois e abandonaram a sala, de braço dado. Desde esse dia, tanto eles como as suas famílias viveram sempre juntos e felizes. E não havia história que os filhos ouvissem com mais atenção e interesse do que a dos dois irmãos, a história que Salomão, o rei sábio, tinha contado aos seus pais.

JERUSALÉM

Se alguma vez estiverem no lugar em que a Europa encontra a Ásia, e a Ásia encontra a África, verão uma cidade cheia de história e de mistério.
Atravessem as muralhas, explorem o labirinto de ruelas e mercados, e descobrirão antigos lugares de oração em cada canto. Também verão uma magnífica mesquita coroada por uma cúpula dourada, inúmeras igrejas e capelas, e um grande muro diante do qual rezam, todos os dias, milhares de pessoas.
Desde tempos imemoriais que, todos os anos, peregrinos do mundo inteiro vão rezar e prestar culto nesta cidade. Os Árabes chamam-lhe Al-Quds, a cidade sagrada. Em hebreu, chama-se Yerushalayim e, em português, Jerusalém. A chave da criação desta cidade está na história que acabámos de ler. Este conto pode ouvir-se nas sinagogas do mundo inteiro, onde é narrado como um relato judaico. Os árabes palestinianos que vivem em Jerusalém e nos arredores também o conhecem. Para eles, trata-se de um conto popular árabe.
A história foi escrita, pela primeira vez, há duzentos anos, por um viajante que a ouviu de um camponês árabe em Jerusalém. Desde então, tem passado de geração em geração e percorrido o mundo. Não a encontramos em nenhum livro sagrado de judeus, muçulmanos, ou cristãos; trata-se de um conto simples, transmitido ao longo dos séculos, que se tem mantido vivo graças à força da sua mensagem.
Jerusalém continua a ser uma cidade sagrada, que ocupa um lugar muito especial na história e nas crenças de judeus, muçulmanos e cristãos. Foi em Jerusalém que viveu e orou Abraão, e onde nasceram os seus dois filhos, Isaac e Ismael. Acredita-se que tanto judeus como árabes descendem desses dois filhos de Abraão. Jerusalém foi governada pelo Rei David, depois deste vencer Golias. Pouco depois, Salomão ascendeu ao trono e mandou construir o templo, mais tarde destruído por invasores.
Jerusalém foi também a cidade onde Jesus compartiu os seus ensinamentos. Posteriormente, converteu-se no lugar onde o Profeta Maomé iniciou a sua viagem sagrada até ao céu, onde recebeu a mensagem de Deus, e onde se construíram duas mesquitas magníficas no local ocupado pelo antigo templo.
Desde então, a cidade tem sido testemunha de múltiplas guerras e tem tido numerosos governantes: árabes, turcos, europeus. Ainda hoje é objecto de batalhas sangrentas, dado que israelitas e palestinianos reclamam direitos sobre ela. Quem sabe se um dia terá paz… Se Salomão estivesse vivo, talvez contasse a história e ajudasse os dois povos a encontrar uma solução.

Chris Smith
Una ciudad, dos hermanos
Barcelona, Intermón Oxfam, 2007
(Tradução e adaptação)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s