Preparando o Natal

A boneca

Deixe um comentário

Sem Título

— Não leves sempre essa boneca suja contigo para a cama — disse a mãe de Eva.

— A minha Anita não é nenhuma boneca suja. — respondeu Eva — A minha Anita é muito querida.

— Mas está muito feia — continuou a mãe. — Olha só para a cara e para os cabelos dela!

Quando se olha para a boneca Anita, assim, sem se gostar dela, tem de se admitir. Bonita, não é. As bochechas estão cinzentas e a esboroar-se de tantos beijos e tantas lavagens. Já não tem propriamente um nariz, apenas uma saliência suja, e dos cabelos castanhos já só ficou um pequeno tufo de cabelos ralos.

Isto não incomodava Eva, mas a mãe dizia-lhe constantemente:

— Não queres pedir uma boneca nova pelo Natal? — perguntava-lhe.

Eva apertava a Anita contra si e dizia:

— Não!

— Tenho outra ideia — disse a mãe. — Vamos levar a Anita a um hospital de bonecas e lá põem-lhe cabelo novo e outro nariz.

Eva defendia-se. Não queria entregar a Anita.

Mas, certo dia, Alex, o irmão mais velho, disse uma coisa feia, uma coisa muito má. Disse:

— A tua boneca é um careca tinhoso!

Eva desatou a chorar. Depois, observou a sua Anita pela primeira vez com olhos de ver. Era verdade! A cara da Anita estava cheia de nódoas e a descamar-se, e quase totalmente careca.

Eva correu para a mãe.

— Achas — disse a soluçar — que no hospital das bonecas vão ser bons para a minha Anita?

— Mas claro que sim! — sossegou-a a mãe.

— Então… Por mim, podes levá-la…

Logo na manhã seguinte, a mãe foi ao hospital das bonecas. Era o único na cidade, pois já não havia muita gente que mandasse consertar bonecas.

No hospital das bonecas, um homem examinou a Anita.

— Tem pouco que se aproveite. Precisa de uma cabeça nova, e os braços e as pernas também deviam ser substituídos.

Apresentou à mãe diversas cabeças de bonecas, mas não havia nenhuma que fosse igual à da Anita.

— Além disso — continuou o homem — a reparação custa mais do que uma boneca nova.

A mãe de Eva procurou em todas as lojas de brinquedos uma boneca que, pelo menos, fosse mais ou menos semelhante à antiga Anita. Acabou por comprar uma do mesmo tamanho e com os mesmos cabelos castanhos. No resto, a nova boneca era um pouco diferente, mas encantadora, e tinha uma cara que se podia lavar com água.

Quando chegou a casa com as duas Anitas, a nova e a velha, Eva ainda estava no infantário. Mas Alex já tinha vindo da escola e descobriu a caixa no cesto de compras da mãe.

— Aha! — disse. — Compras de Natal!

— Uma boneca nova para a Eva — respondeu a mãe. — Mas ela não pode saber. Tem de pensar que é a sua Anita.

— Aha! — disse Alex. — Mentiras de Natal!

— Não sejas atrevido — disse a mãe. — É o melhor para a Eva.

— Deixa-a lá ficar com o careca tinhoso — disse Alex.

A mãe arrumou a caixa com a nova boneca no armário da roupa.

— Fico contente por finalmente nos vermos livres daquela coisa tão estragada.

Atirou a Alex o saco de plástico com a antiga boneca.

— Toma — disse. — Mete-a no contentor do lixo, mas lá para o fundo.

Alex pegou na boneca e saiu do quarto a assobiar baixinho.

Desde que a Anita desaparecera, Eva perguntava por ela todos os dias.

— A minha Anita ainda está no hospital? O homem é simpático com ela? Ela não tem saudades? Vou mesmo voltar a tê-la pelo Natal?

E a mãe respondia sempre:

— Sim, Eva. Com certeza, Eva. Não te preocupes, Eva.

Para a noite de Natal, a mãe de Eva vestiu à nova boneca o vestido da Anita e pô-la debaixo da árvore. Com o vestido vermelho, achava a mãe, ficava mesmo parecida com a Anita.

Mas, quando estendeu a boneca a Eva e disse:

— Ora vê como ficou linda a tua Anita! — Eva não aceitou e cruzou as mãos atrás das costas.

— Não! — gritou. — Essa não é a minha Anita!

E olhava decepcionada para a nova boneca:

— Eu quero a minha Anita… a minha Anita! — e começou a chorar baixinho sem parar.

A mãe não contara com isto e tentou consolar Eva. Mostrava-lhe outras prendas, levava-a à árvore de Natal, mas Eva mantinha os olhos baixos. Não queria ouvir nada nem ver prenda nenhuma.

— Anita! —queixava-se a menina. — Onde é que puseram a minha Anita?

Disse então Alex:

— Se não lhe devolverem o careca tinhoso, vai estragar-nos a festa de Natal.

— Mas… — balbuciou a mãe — tu deitaste…

— Achas? — perguntou Alex.

Correu ao quarto e regressou com um saco de plástico que meteu nas mãos de Eva.

— Anita! — gritou Eva, tirando do saco a velha boneca careca.

Alex sorria.

— E o que vais fazer agora à boneca nova?

— Esta? — perguntou Eva. — Vou dá-la a uma menina que eu não conheça.

— A uma menina… — repetiu Alex. — Ah, claro. Ela não pode ficar a saber que tens uma boneca careca fantástica!

Tilde Michels

Anne Braun (org.)
Weihnachtsgeschichten
Würzburg, Arena Verlag, 1991
Texto traduzido e adaptado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s